Publicidade

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013 Crowley, Mais Tocadas, Mercado Sertanejo, Música | 17:27

Victor Chaves: “Acho que o gênero sertanejo, se ele existe, vai de mal a pior”

Compartilhe: Twitter
Victor e Leo se apresentam no Citibank Hall, em São Paulo (Foto: Caio Duran/AgNews)

Victor e Leo se apresentam no Citibank Hall, em São Paulo (Foto: Caio Duran/AgNews)

Victor e Leo iniciaram nesta quinta-feira (12) mais uma turnê em São Paulo. Serão, no total, quatro shows no Citibank Hall (antigo Credicard Hall), com novos palco e repertório. Entre as canções, estão as já conhecidas “Boa sorte pra você”, “Fada” e “Deus e eu no sertão” e as novas “Amor.com”, “Conheço pelo cheiro” e “Na linha do tempo”.

Além dos hits que empolgaram a plateia, a apresentação contou com um divertido momento em que Leo errou a letra da canção “Vamos fugir” e um emocionante pedido de casamento no palco protagonizado por um casal de fãs da dupla.

Leia também: TV transforma sucesso do sertanejo em estratégia de audiência

Antes de subir ao palco, a dupla falou sobre a pesquisa do Ibope que mostra que a música sertaneja é a mais ouvida pelos brasileiros atualmente. “Isso já tem há muitos anos. Vejo a música sertaneja como sendo uma página muito forte dentro da cultura musical brasileira. O que acontece é que públicos novos vem indo a eventos da música sertaneja. Aconteceu uma renovação. Acho ótimo”, afirmou Leo. O cantor acredita ainda que a música sertaneja tem se misturado, cada vez mais, com outros ritmos. “Vejo a música brasileira cada vez mais universalizada. Acho bom para a cultura de forma geral”, afirmou o cantor.

Ele ainda relembrou uma conversa que teve recentemente com o cantor Renato Teixeira sobre o assunto. “Ele falou que os artistas do meio precisam se unir mais e aproveitar isso de uma forma bacana. Vejo isso com bons olhos”.

Victor discorda, não só do irmão, quanto do resultado da pesquisa em si. “Acho que o gênero sertanejo, se ele existe, vai de mal a pior. Talvez seja um dos gêneros menos explorados atualmente. Acho que a música sertaneja é a menos ouvida no país. Se você disser, ‘Na linha do tempo’, que está em primeiro lugar (nas mais tocadas). Não é música sertaneja. Se alguém disser: ‘ah, é música sertaneja evoluída’. Não, não é. É música romântica pop. Isso tem que ser assumido”, apontou o cantor, que citou “Tudo bem”, outra faixa do álbum “Viva por mim” como uma faixa que conta com a vertente do sertão.

“Aquilo que traz o sertão e tem uma vestimenta da viola caipira, ou do violão rasqueado, do caboclo, essas coisas todas misturadas, formaram um gênero chamado sertanejo. E depois as duplas vieram cantando outras coisas. Ou continuaram com o romantismo, mas cantando outras coisas, pop, rock, soul. Victor e Leo é isso, é uma mistura. A gente não tira o pé do sertão e sempre mantém alguma coisa na vertente, mas ‘Borboletas’ e outras coisas mais não são música sertaneja”.

Victor ainda finalizou sua opinião sobre o momento da música sertaneja defendendo que “as canções sertanejas são uma coisa e aquilo que é chamado de sertanejo, é outra”.

Leia também: “Vidro fumê”, de Bruno e Marrone, é a música mais tocada nas rádios em 2013. Confira lista das 50+

Apostas femininas

Outro tema abordado com Victor e Leo antes do show foi a aposta deles em mulheres na música sertaneja. Depois de contarem com a participação de Nice no premiado álbum “Ao Vivo em Floripa”, Leo agora se dedica à produção do álbum de Lucyana. A dupla conheceu a cantora quando se apresentava nas noites de São Paulo e voltaram a se reencontrar em 2012 quando selaram uma parceria. “A Nice é uma cantora que a gente teve a oportunidade de conhecer no interior. Teve uma participação no DVD de Floripa e o Victor produziu o CD dela. A Lucyana é uma conhecida nossa há muitos anos e já era uma pessoa com quem a gente tinha contato. Quando a vi ano passado, fiquei surpreso do tanto que ela tinha evoluído como cantora”, relembrou Leo, que começou a produzir o álbum da cantora, previsto para ser lançado no primeiro semestre de 2014.

Enquanto isso, Nice aguarda a chegada de seu álbum no mercado. “O disco está pronto. Há uns quatro meses ele já está masterizado. Demora para quem está aguardando ou tem alguma expectativa. Mas para nós, está dentro de um tempo natural. E a gente precisa também saber a hora certa de lançar isso porque é preciso uma gravadora. E não basta que a gravadora lance, ela tem que apostar. Senão vira um produto engavetado. Estamos com planos prósperos para ela, acreditamos no trabalho dela”, afirmou Victor, explicando o motivo de o CD ainda não estar no mercado.

Autor: Tags:

11 comentários | Comentar

  1. 61 Bruno ZT 17/12/2013 17:46

    Victor, o cara mais CHATO do sertanejo. Fato!

    Responder
    • Rafaela 22/04/2014 10:41

      Bruno ZT, é tua opinião. Guarda para ti. Pois parece uma grande dor de cotovelo! Fato!

      Responder
  2. 60 Rudimar Amorim 15/12/2013 1:01

    Esses cantores de brega-cornisse jamais foram sertanejos. Pra começar que em Goiás não existe sertão.

    Responder
  3. 59 elinelia enilce silva 15/12/2013 0:43

    Não é por acaso que o Vitor é um cantor diferenciado, já havia lido alguns comentários deles que muito me agradou,ele é coerente, crítico, consistente e consciênte em suas entrevistas, concordo plenamente com tudo o que ele falou, as novas duplas pode ser qualquer coisa menos sertaneja, mas não representa o sertaneja, acho falta de ética e compromisso com seu público o que essas novas duplas fazem, acho que é por este motivo que alguns cantores chamados de brega consegue cativar o seu publico mesmo fora da grande mídia é pela coerência do repertório e estilo dos quais se mantem leais, o que hoje percebo que apesar do estilo dele e do irmão não serem dos meus favoritos, adoro eles e até compro seus CDs, são realmente músicos, e não fantoches.

    Responder
  4. 58 pauli Carvalho 14/12/2013 19:15

    Olá, o casal de fãs que noivaram no palco do Victor e leo agradece todos que prestigiaram e emocionaram juntos no Credicard Hall. Mais informações acesse a página da “cantora Pauli Carvalho” no Facebook. Obrigado

    Responder
  5. 57 Ana Carla 14/12/2013 14:36

    Para mim, que fui nesta segunda noite de Credcard deles aqui em S Paulo, é simplesmente a mais talentosa e importante dupla da atualidade. Impressiona o carisma, a qualidade dos caras em som, luz e talento. Acho que o Victor é super instrumentista e de belíssima viz(deveria cantar mais em solo), e muito inteligente na abordagem sobre tão polêmico assunto. Mandou muito bem e não quer ficar em cima do muro como todos fazem. Sabe o que faz e assume. Parabéns! Sou do rock e pago pau para esses caras que são a cara do FOLK brasileiro. Só acho que nascessem lá gira seriam ídolos mundiais!

    Responder
  6. 56 Roberto 14/12/2013 11:52

    É a primeira vez que leio a verdade sobre a suposta musica “sertaneja” atual, Pode ser qualquer coisa, menos sertaneja. A verdadeira musica sertaneja é como foi dito na entrevista, é unica, fala de coisas que hoje já não existem como antigamente, os instrumentos são tocados de maneira bem característica, não como se auto intitula “sertanejo universitário”, é outro ritmo, não sertanejo…..!!!!

    Responder
  7. 55 Luis 14/12/2013 11:04

    Você acha que vai de mal a pior? EU TENHO CERTEZA!
    cada babaquice, letras sem pé e sem cabeça, rimas pobres, veja alguns exemplos:
    tem uma dupla (nem sei o nome) que canta: “depois que ela se foi tô berrando que nem boi” (quanta asneira) até por que boi não berra, boi muge e uma outra: “sou o Robin Hood da paixão”
    (esse cara rouba o que pra dar a quem?) E muitas outras que no momento me fogem da memória.
    E mais, os caras só falam em bebedeira, só sabem xingar as mulheres, esqueceram o amor.
    Os caras chamam as mulheres de “vagabunda, mentirosa, bandida, mandam-nas embora”, etc.

    Responder
  8. 54 Márcio Novais 14/12/2013 10:24

    Nunca foi e nunca será sertanejo!
    O que importa é a grana que rola!
    É tudo ruim demais!

    Responder
  9. 53 Márcio Novais 14/12/2013 10:22

    Nunca é, nunca foi, nunca será sertanejo! O que está aí é musica fácil pra tocar nas rádios, TVs e etc. O que importa é a grana , o resto é papo furado!
    Ruim demais!

    Responder
  10. 52 P.L-Neto 13/12/2013 19:34

    Tendo festa, cerveja e muito barulho, o mercado engole tudo. As musicas populares tocadas na antiga rádio atalaia do Paraná, por exemplo, estão sendo vendidas como sertanejas, porém, todos somos urbanos, com ar condicionado, e tudo mais que as cidades nos proporcionam. Inclusive as músicas sertanejas.

    Responder
  11. 51 silvio sa 13/12/2013 19:33

    Parabéns pela coragem e competência do Victor. Acredito que as merd… de luans santanas, paulas não sei de que…existentes são uma verdadeira prova do que está rolando nesta confusa geração de “ouvintes intestinais” da atual dita musica sertaneja. Uma verdadeira diarreia auditiva, isto sim. Valeu VIctor. Abraços, Silvio.

    Responder
  1. ver todos os comentários
 

Antes de escrever seu comentário, lembre-se: o iG não publica comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei, que não tenham o remetente identificado ou que não tenham relação com o conteúdo comentado. Dê sua opinião com responsabilidade!

* Campos obrigatórios


 

Responder comentário


* Campos obrigatórios